Pôr-do-sol

O sol se punha lento, lentamente, deixando marcas avermelhadas no céu. Ao mesmo tempo, a natureza bradava uma sintonia acalenta, preparando a chegada da noite. Nas ruas, há o movimento de final de tarde, o “hush”, típico de cidade grande. Aos poucos, tudo aquilo vai possuindo olhos e criando um brilho fosco. E mais um dia acabava como tantos iguais a outros…

Aqui, estou eu, acompanhando tudo isso, de um jeito meio niilista e inerte.

Levanto-me, fecho a janela, mesmo com a temperatura abafada e procuro dar voltas pelo cômodo.

Vejo a tv e ligo. Monitoro o controle de canais, permitindo que o meu desinteresse pelas cenas de vida apenas passem. Desligo sem mais.

Vou para o rádio, faço a mesma coisa. Temendo seus ecos, retiro o “plug” da tomada.

Toco na muda de “Comigo-ninguém-pode” plantada por mim e sinto a acidez na ponta dos dedos. E me recuo como um animal ferido. Até as plantas tem a sua maneira de revidar o toque.

Deparo-me com a estante e folheo um livro pesado e volumoso, de aroma passado e concentrado.

Cansei! Necessito dissipar esta fadiga que consome a alma e absorve o vazio.

Olho ao redor até ficar tonto e sento bruscamente na cama. Chegou a hora! Atraso o relógio como uma tentativa falha de voltar ao tempo, muito tempo.

Anúncios

~ por Márcia Vidal em abril 18, 2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: