O Sétimo selo: uma alegoria ao sentido da existência humana

O Sétimo selo

Vencedor de vários prêmios, Ingmar Bergman aborda em seus filmes temas como Deus, a morte, a vida, o amor, a solidão, o universo feminino e a incomunicabilidade entre casais. Alguns trazem a influência do naturalismo e do romantismo do cinema francês dos anos 30, chegando a ser repelidos por causa do erotismo e do expressionismo.

O Sétimo Selo, com o qual Bergman foi reconhecido internacionalmente e considerado um dos seus melhores filmes, é uma alegoria em preto e branco sobre a busca infinita por um sentido num mundo caótico: a devastação do século XVIII pela peste negra.

Referente ao capítulo oito do Livro das Revelações, narra a história de um cavaleiro,
Antonius Block, que, ao retornar das Cruzadas com seu escudeiro, se depara com a sua vila assolada pela peste. Encontrando-se com a Morte, que tenta a qualquer custo levá-lo, sob a argumentação de que acabou seu tempo na terra, Block se recusa a morrer sem entender ao menos o sentido da vida. Assim, um jogo de xadrez é proposto, adiando a sua sentença e burlando a única certeza que o habita.

Apesar de perder o jogo, a Morte não desiste de persegui-lo durante a sua viagem pela Suécia medieval. Nesta, além de encontrar artistas, ladrões e fanáticos, descobre a repugnância do fervor religioso como a tortura, a caça às bruxas e o espectro da morte se alimentando da fraqueza humana.

A época assinala o apogeu da crise do sistema feudal, representada pela guerra, peste e fome, que, juntamente com a morte, compõem simbolicamente os “quatro cavaleiros do apocalipse” no final da Idade Média.

Para quem interessa se aprofundar sobre a época, além do filme, há o livro que foi escrito por Melvyn Bragg, que aborda fatos históricos sobre a decadência do feudalismo, da fase de transição ao capitalismo e outros.

Excelente trama, com uma linguagem simbólica e com referências bíblicas, critica os valores sociais e religiosos e reflete acerca da dor existencial do homem.

Anúncios

~ por Márcia Vidal em março 24, 2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: